Sofá tem história

Se desse para entrar numa máquina no tempo e visitar o interior das residências de diferentes séculos e continentes seria possível encontrar pelo menos um item em comum: o sofá. A peça tem feito parte do mobiliário desde a antiguidade. Nasceu originalmente na função de trono dos governantes árabes e passou a ser usado por nobres de civilizações do Oriente Médio. O termo sofá, aliás, é derivado da palavra árabe suffah.


Sofá árabe

Mais adiante na história, na sociedade romana, o sofá, conhecido como triclinum, era colocado ao redor de uma mesa baixa, onde os homens deitavam sobre ele, de lado, para saborearem calmamente suas refeições. Tudo bem pensado para facilitar aquela soneca depois do almoço, hábito que ficou obsoleto nesses tempos modernos, ainda que algumas culturas o preservem até o presente.


Sofá romano triclinum

Os primeiros sofás eram bastante primitivos, montados sobre um quadro de madeira e estofados em couro. O modelo que se aproxima com o que conhecemos hoje, com assento estofado em tecido e apoio para as costas e braços, tomou forma mais precisamente em meados do século 16, durante o período da Renascença na França. Nessa época, era um móvel elitista, usado nos salões da corte e nas salas de visita. Foi somente na época da industrialização – e mais tarde com a popularização da televisão nos lares – que o sofá pôde chegar também nas casas de classe média e baixa.

Hoje ele é uma das peças mais importantes do mobiliário. Ao longo dos séculos o sofá ganhou tecnologia, novos materiais, design ergonômico e ficou muito mais confortável. Assento de molas, almofadas com fibra siliconada, encostos reclináveis e chaise retrátil potencializaram a experiência de conforto e a versatilidade das peças.

Conheça alguns modelos que fizeram história:

Canapé
Sofá ornamental de três lugares feito de madeira esculpida, com assento estofado, braços e encosto. Ele foi criado no século 18 na França, durante o período Luís XV e Luís XVI. O estilo se tornou popular nos Estados Unidos durante o século 19.

Chaise-longue
Esta peça é também conhecida como espreguiçadeira. É um tipo de sofá feito para acomodar uma pessoa com bastante conforto, permitindo relaxar com as pernas estendidas.

Récamier
É uma espécie de chaise, com encosto em ambas as extremidades. O que o diferencia de outros sofás é que possui geralmente uma cabeceira mais alta e suavemente curvada em um dos lados. Conhecido como fainting couch (sofá de desmaio, na tradução do inglês), essa peça era posicionada próxima às escadas para socorrer as mulheres, que freqüentemente tinham dificuldades para respirar dentro do espartilho.

Divã
O nome divã veio do persa (Diwan), já que foi originado no Oriente Médio, especialmente no império Otomano. É um sofá acolchoado sem encosto, cujo braço, mais elevado e inclinado, serve para apoiar a cabeça. A peça ganhou fama por ser utilizada por pacientes em sessões de psicanálise.

Love seat ou namoradeira
É um sofá pequeno, com assento para duas pessoas. Foi inicialmente criado para comportar as mulheres do final do século 17 e seus vestidos volumosos. Com o tempo, virou o lugar oficial para os jovens casais namorarem na sala de estar.

Futon
De origem japonesa, o futon é um sofá composto por um colchão recheado de algodão ou lã, sob uma estrutura de madeira, que pode também ser articulada para virar cama.


Sofá-cama Berilo, lançamento da Coleção 2011 da Estofados Jardim

Sofá-cama
Graças à versatilidade de ter duas funções em uma só peça, o sofá-cama se se popularizou na era moderna, quando as residências se tornaram mais compactas.


Alice Duarte
Jornalista (DRT-PR 4624)

Ver outros posts

Deixe uma resposta